Os 5 eixos Cognitivos do Enem | Enembulando

Os 5 eixos cognitivos do Enem

Toda a prova do Enem, ou seja, todas as questões que entram para a prova incluindo também proposta de redação são criados seguindo uma Matriz de Referência que estabeleceu critérios para que seja possível avaliar os estudantes ao concluírem o Ensino Médio. A Matriz de Referência do Enem é descreve as competências e habilidades exigidas dos alunos e também lista todo o conteúdo programático que o estudante precisará estudar, ou seja, os objetos de conhecimento que fazem parte de cada prova. Para avaliar o desempenho dos estudantes foram estabelecidos para o Enem 5 eixos cognitivos comuns a todas áreas do e a partir destes eixos cognitivos, competências e habilidades para cada área do conhecimento do Enem. Cada competência e habilidade que será testada na prova do Enem devem ser norteados por estes 5 eixos cognitivos.

Os eixos cognitivos do Enem

 

1. Dominar linguagens: dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica e das línguas espanhola e inglesa.

2. Compreender fenômenos: construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas.

3. Enfrentar situações-problema: selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema.

4. Construir argumentação: relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente.

5. Elaborar propostas: recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural.

Por quê é importante entendê-los

Veja que cada eixo cognitivo começa com um verbo, o Enem espera que você seja capaz de dominar linguagens, compreender fenômenos, enfrentar situações-problema, construir argumentação e elaborar propostas. Saber o que é esperado de você na prova do Enem é extremamente importante porquê só assim você saberá o que precisa realmente fazer para ir bem no Enem. Não somente os 5 eixos cognitivos, mas você deve entender todas as competências e habilidades da Matriz de Referência. Todas as competências e habilidades passam por estes eixos, somente dominando eles você conseguirá sair bem na prova do Enem. Não se preocupe que iremos explicar cada um e dar vários exemplos.

Entendendo cada eixo cognitivo

Entender por entender não basta, você dever saber como deverá estudar e como deverá lidar com eles para que possam ser úteis no seu processo de preparação pro Enem. Então agora vamos explicar cada eixo e o que você precisa fazer para dominá-los.

1. Dominar linguagens: dominar a norma culta da Língua Portuguesa e fazer uso das linguagens matemática, artística e científica e das línguas espanhola e inglesa.

Principalmente na prova de redação, dominar a norma culta da Língua Portuguesa é obrigatório. A Língua Portuguesa é cheia de armadilhas que podem pegar a todos nós, mal e mau, de onde e onde, os porquês, decerto e de certo. Aqui que entra o estudo da gramática, mas não é só decorar regrinhas, dominar a Língua Culta precisa de muita prática, fazer redações, resumos e ler bastante. A humanidade desenvolveu ao longo do tempo, diversas ferramentas que nos permite comunicar, não só em palavras, mas através de símbolos e notações. Uma delas é a linguagem matemática e científica. A matemática e a ciência tem as suas próprias regras que nos permite a comunicação de conceitos, relações de grandezas e os seus significados. Na ciência você tem que ser fluente em ler gráficos, tabelas, mapas. A arte também tem a sua própria forma de comunicação, o teatro e o cinema, por exemplo, tem as suas próprias formas de contar histórias. Uma cena de um trem seguido de um corte para um rosto assustado e você já entende o que está acontecendo, essa é a linguagem cinematográfica.

2. Compreender fenômenos: construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a compreensão de fenômenos naturais, de processos histórico-geográficos, da produção tecnológica e das manifestações artísticas.

As ciências buscam entender o mundo que vivemos, e nós “cientistas” através da ciência poder agir no mundo. Dizem que a curiosidade move o mundo, e este eixo cognitivo tem tudo a ver com a curiosidade. Devemos na biologia, na física, na química, em qualquer área do conhecimento buscar compreender os fenômenos que nos cercam. Todos sabemos que a gravidade jogará tudo no chão, mas já lançamos satélites em orbitas, porquê não cai? Ao estudar os conteúdos programáticos do Enem tenha em mente que você precisa responder perguntas. Compreender fenômenos é entender por que as coisas são como são, buscar entender os padrões, e como o conhecimento é criado.


3. Enfrentar situações-problema: selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema.

O conhecimento nasce da dúvida. Infelizmente o nosso sistema educacional na sua maioria, prega o contrário, um monte de professores cheio de certezas com os seus livros com verdades absolutas. “A solução está no livro, é só buscar e decorar.” Tudo que aprendemos é pra ser usado na vida, você pode até decorar um monte de soluções, mas a vida é cheia de incertezas e tudo está mudando numa velocidade absurda.

O Enem como contrapartida aos vestibulares tradicionais não quer testar se você é bom de memória, mas quer testar se você é capaz de usar tudo que estudou e aprendeu na resolução de situações problemas que você encontrará no dia a dia. Matemática financeira para que não se endivide com juros exorbitantes. Que você possa calcular o consumo de um eletrodoméstico e prever o quanto pagará de energia elétrica. São estes temas que você encontrará no Enem, questões que tragam situações-problemas reais e que você use o que aprendeu.

Quando for estudar uma matéria tente fazer o inverso, tente resolver uma lista de exercício primeiro, e mapeie quais sãos os problemas que precisam ser resolvidos. O que você já sabe que pode ser utilizado para resolver o problema? O que você sabe é insuficiente? O que você precisa entender para resolver o problema? Invertendo esta ordem te ajudará a dominar esse eixo cognitivo.


4. Construir argumentação: relacionar informações, representadas em diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir argumentação consistente.

Devemos ser críticos em relação a tudo porquê a ciência não é neutra. As opiniões, interesses financeiros e pessoais, crenças sempre vão interferir na produção e uso do conhecimento.

Nas ciências humanas, a história deve ser sempre olhada de forma crítica, a forma que a colonização brasileira vai ser contada no Brasil e em Portugal vai divergir da mesma forma da história contada sobre as guerras por quem viveu e por quem está de fora.

Há controvérsias mesmo na ciências exatas, novos métodos e descobertas vão modificando o que sabemos do mundo. Construir argumentação é nossa ferramenta para lidar com as divergências.

No Enem, uma boa capacidade de argumentar funcionará como um filtro para te ajudar a encontrar a resposta certa. Quando você entende o que uma questão quer de você, a argumentação te ajudará a filtrar as alternativas mais ilógicas, ou que estão incompletas e não responderiam a questão.

Na redação esse eixo cognitivo é evidente, a proposta de redação exige que você argumente sua tese defendendo a sua opnião e ponto de vista.


5. Elaborar propostas: recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para elaboração de propostas de intervenção solidária na realidade, respeitando os valores humanos e considerando a diversidade sociocultural

Como falamos no último eixo, a ciência não é neutra. Pense na quantidade de tecnologias que foram criadas para fins militares. A ciência deveria ser utilizada para que possamos crescer como ser humanos, e ser utilizadas para a melhoria da qualidade de vida de todos. Porém, o conhecimento ao longo da história foi se tornando uma ferramente de poder, e muitos usaram e ainda vão usá-la para continuar controlando pessoas, recursos e sua própria produção.

Na redação do Enem tome cuidado ao elaborar propostas para uma situação-problema.

Os 5 eixos cognitivos do Enem